Rinpoche e Budismo Tibetano

Sobre o budismo

Budismo tibetano

Quando Buda faleceu, seus ensinamentos foram coletados juntos por um conselho de discípulos seniores. Como resultado, os preciosos ensinamentos do Dharma foram introduzidos em muitos países.

Antes da introdução do budismo no Tibete, este país tinha sua própria religião xamanista conhecida como 'Bon’.

No século VII, o Tibete viu a primeira introdução do budismo através da visita de proeminentes panditas indianos, que foram convidados pelos primeiros reis tibetanos. Os primeiros reis tibetanos estavam interessados em promover o budismo e eram considerados como emanações de bodisatvas.

Acredita-se que o primeiro Rei do Dharma proeminente, Songsten Gampo (617-650), seja uma emanação de Avalokiteshvara. Ele se casou com uma princesa chinesa, uma nepalesa e uma tibetana. A princesa chinesa Wenshing Kongjo trouxe com ela a estátua do Buda Jowo Shakyamuni, a principal estátua dentro do Templo Jokhang em Lhasa, e a princesa nepalesa Bhrikuti trouxe com ela a estátua de Akshobya, que agora está dentro do templo Ramoche em Lhasa. O rei Srongtsen Gampo enviou Thonmi Sambhota à Índia para estudar sânscrito e foi (ela, a terceira? ...ou ele, o estudioso?) quem inventou a escrita tibetana para traduzir textos budistas para o tibetano. O rei fundou o templo Tradruk Dolma Lhakhang no Vale Yarlung e construiu um palácio em Marpori (Colina Vermelha).

O segundo grande Rei do Dharma Trisong Deutsen (740-798), é considerado como uma emanação de Manjushri. Ele fez um grande esforço para aumentar a disseminação das atividades budistas e convidou o bodisatva Khenchen, que era um dos monges budistas indianos mais proeminentes, para visitar o Tibete. Shantarakshita, como também era conhecido este bodisatva, é o primeiro abade budista indiano a ordenar tibetanos como monges. Ele serviu como preceptor real do Rei Trisong Deutsen. Diante de muitos obstáculos na construção do mosteiro de Samye, o rei convidou o grande místico Padmasambhava para ir ao Tibete, para subjugar os espíritos malignos e locais e abrir caminho para a construção de mosteiros budistas. Padmasambhava realizou muitos rituais de domesticar a Terra (no sentido de planeta? Se for no sentido de local o “t”é minúsculo), construiu muitas estupas e desempenhou um papel impressionante como um pai fundador do budismo tibetano. Estas três figuras, o Grande Abade Shantarakshita, o Grande Mestre Vajrayana Padmasambhava e o Grande Rei Dharma Trisong Deutsen são conhecidos como khenlop choesum – mkhan slob chos gsum em tibetano.

Um dos primeiros tibetanos a ser ordenado monge budista por Shantarakshita é Khon Luwang Sung, da família Khon. Ele veio da casa de Khon, membros dos quais se acredita serem descendentes de deuses celestiais. Ele também se tornou um dos vinte e cinco discípulos de Padmasambhava. Durante a fase inicial do budismo no Tibete, ele não era distinguido por tradições ou escolas. Era simplesmente conhecido como "religião dos monges" (ben de'i chos), em contraste com a "religião do Bon" (bon gyi chos). A palavra "ben de" é talvez uma contração da palavra em sânscrito 'bante' que significa "venerável" ou simplesmente "monge".

O terceiro grande Rei Dharma, Tri Ralpachen, é considerado como uma emanação de Vajrapani. Ele era um rei budista devoto e fez muito pela disseminação do Dharma e pela padronização de textos e traduções budistas e, portanto, muitos textos budistas foram traduzidos do sânscrito para o tibetano. Este período do budismo no Tibete é conhecido como "Difusão Inicial da Doutrina" (bstan pa snga dar). Kawa Paltsek, Chokro Lu'i Gyaltsen e Zhang Nanam De são os três tibetanos muito bem conhecidos desse período. O Tibete, no entanto, experimentou o governo de um rei implacável chamado Langdarma (803-846), que assassinou seu irmão mais velho, o rei Tri Ralpachen, causou a destruição de mosteiros budistas e despiu os monges à força. O efeito negativo dessa perseguição ao budismo durou quase um século e causou a fragmentação do budismo em muitas seitas e escolas.

A partir de meados do século XI, o budismo no Tibete teve que se rejuvenescer, pois o que restou dele estava misturado com práticas não budistas e estava aberto a perguntas e uso indevido. Isso deu motivação para enviar jovens brilhantes para a Índia para estudar o budismo e a língua sânscrita. Muitos não sobreviveram à longa viagem à Índia, mas aqueles que retornaram contribuíram muito para o renascimento do budismo. Quando os estudiosos budistas tibetanos voltaram ao Tibete, trabalharam em colaboração com panditas indianos e formaram novas escolas. Este período é conhecido como "Difusão Posterior da Doutrina" (bstan pa phyi dar). Lochen Rinchen Sangpo (958-1055), Ngok Lekpe Sherab e seu sobrinho, Ngok Loden Sherab (1059-1109), são lembrados por sua vasta contribuição para esta segunda fase da história budista no Tibete. A família real tibetana da dinastia Yarlung entrou em colapso através do assassinato do rei Langdarma por Lhalung Paldor. Lha Lama Yeshe Od e seu sobrinho, Jangchub Od, conseguiram convidar Atisha (982-1054) para ir ao Tibete em 1042. Esse tio e sobrinho são descendentes da dinastia Yarlung, que executou notavelmente o legado de seus antepassados, embora Lha Lama Yeshe Od tenha morrido na prisão de um impiedoso chefe garlok. Foi o célebre discípulo de Atisha, Dromtonpa (1008-1064), que fundou o mosteiro Radreng. Os primeiros seguidores desta nova escola eram conhecidos como 'Sarma' (gsar ma) e mais tarde como Kadampas (bka' gdams pa). A velha escola era naturalmente chamada de 'Nyingma' (rning ma).

Tradição Sakya

Coletivamente, todas as novas escolas formadas no Tibete eram conhecidas como "Velha Kadampa" (bka' gdams rnying ma) e Gelukpa é conhecida como "Nova Kadampa" (bka" gdams gsar ma) por ser a mais jovem de todas as escolas. Sakyapa é uma das primeiras escolas fundadas em grande parte com a inspiração dos quatro grandes tradutores tibetanos, notavelmente: Lochen Rinchen Sangpo, Drogmi Lotsawa Shakya Yeshe (993-1074), Goe Lotsawa Khugpa Lhetse e Mal Lotsawa Lodro Drakpa – que eram todos contemporâneos do grande professor indiano Atisha. Não muito depois deste tempo, khon Konchok Gyalpo (1034-1102) fundou o mosteiro Sakya em 1073. Sakya é nomeado em homenagem à paisagem de cor cinza e colinas ao redor da região. Entre os cinco fundadores da tradição Sakyapa, Sakya Pandita (1182-1251) e Choegyal Phakpa (1235-1280) são os mais famosos. Sakya Pandita converteu Godan Khan ao budismo e liderou a disseminação do budismo para a Mongólia. Os escritos de Sakya Pandita foram os primeiros trabalhos do autor tibetano a serem traduzidos para chinês e mongol.

Choegyal Phakpa viajou para a China em 1253 e concedeu a iniciação de Hevajra a Kublai Khan, a seus vinte e cinco ministros e aos membros da família real. Expressando sua gratidão, Kublai Khan ofereceu todo o Tibete a Phakpa como uma oferenda de Mandala e ação de graças e foi a partir daí que a relação sacerdote patrono foi estabelecida entre a dinastia Yuan e os Sakyas.

A linhagem Sakyapa tem quatro sublinhagens e cada uma dessas quatro sublinhagens produziu galáxias de grandes mestres ao longo de muitos séculos. Desde 1959, todos os tronos acima foram destruídos, assim como 6000 mosteiros no Tibete. Desde o início da década de 1980, muitos mosteiros puderam ser reconstruídos, os tronos acima foram todos restaurados e há consideráveis atividades de restauração em andamento (enquanto mantêm as tradições de estudo e prática). Desde que os tibetanos foram para o exílio, essas quatro linhagens são lideradas por mestres que estabeleceram seus lugares no exílio.

A linhagem Sakyapa do budismo tibetano é abençoada com muitos mestres que são manifestações de Bodisatvas. A linhagem Sakya tem quatro subescolas: a Sakyapa, fundada por Sachen Kunga Nyingpo (1092-1158); a Ngorpa, fundada por Ngorchen Kunga Zangpo (1382-1456); a Dzongpa, fundada por Dzongpa Kunga Namgyel e a Tsarpa, fundada por Tsarchen Losal Gyatso (1502-1566). Sua Eminência Chogye Trichen Rinpoche, Ngawang Khyenrab Thubten Lekshay Gyatso, foi o chefe (titular) da Escola Tsarpa da tradição Sakya do budismo tibetano.

O ensino principal e mais abrangente da escola Sakya é o Lamdre. O termo 'Lamdre' significa 'o caminho (lam) com o resultado (dre). Lamdre contém instruções e práticas que cobrem toda a gama de ensinamentos de sutra e tantra transmitidos por Buda Shakyamuni. Originou-se com Virupa (século VII), um dos mahasiddhas budistas indianos supremamente realizados. Os ensinamentos e práticas centrais dentro do Lamdre são baseados nas escrituras conhecidas como “O Tantra Hevajra”, a Tradição Budista Vajrayana da divindade tântrica Hevajra.

O Lamdre foi trazido ao Tibete pelo tradutor tibetano Drogmi Lotsawa em meados do século XI e mais tarde foi codificado no século XI por Sachen Kunga Nyingpo. Este ensinamento foi passado através de uma linhagem ininterrupta de mestres até os dias atuais. Durante o tempo do mestre Muchen Konchok Gyaltsen (1388-1469), o Lamdre foi dividido em duas tradições: o Lobshe incomum, ou explicação privada para discípulos próximos, que enfatiza as instruções orais para a prática de meditação; e o Tsogshe, que é a explicação mais comumente dada à assembleia geral.

A essência do Lamdre é conhecida como a visão da "inseparabilidade do samsara e do nirvana" (khorde yerme), que se refere à inseparabilidade da existência mundana e da iluminação. Não há abandono de samsara para alcançar o nirvana, pois a mente é a raiz de ambos. Uma vez que a mente foi entendida como a raiz de ambos, segue-se que o nirvana é apenas uma transformação de samsara. Perceber essa inseparabilidade é a chave para alcançar a iluminação através dos ensinamentos Lamdre.

O Lamdre é conhecido como um vasto, profundo e completo caminho para a iluminação. É dividido em duas seções: a seção preliminar e a seção tântrica. A seção preliminar contém instruções e ensinamentos da tradição budista mahayana e se concentra nos "três modos de aparência" ou "três modos de percepção" (nang sum), às vezes referidos simplesmente como as "três visões": a percepção impura, a percepção da experiência e a percepção pura. A seção tântrica contém os ensinamentos esotéricos, especialmente os ensinamentos sobre os "três tantras" ou "três contínuos" (gyu sum). Existem apenas alguns detentores da linhagem do Lamdre dentro da tradição Sakya

Tradição Tsarpa

O ramo Tsarpa da Escola Sakya foi fundado por Tsarchen Losal Gyatso (1502-1556), que estabeleceu o Mosteiro Dar Drangmoche na província de Tsang, no Tibete Central. Tsarchen foi um mestre de extraordinária realização que teve visões puras do Guru Padmasambhava, Vajrayogini, Chakrasamvara, Kalachakra, Yamantaka e numerosos outros mestres e divindades tântricas. Ele os conheceu face a face, assim como se encontrar com outras pessoas. O Caminho incomum com o Resultado (Lamdre Lobshe) foi transmitido e elaborado por Tsarchen, tal como foi a linhagem prática incomum de Vajrayogini, a Deusa Celestial de Naropa (Naro Khachoma).

A linhagem Tsarpa é reconhecida por manter todas as linhagens de meditação incomuns e esotéricas altamente valorizadas da Escola Sakya – por isso os mestres Tsarpa têm sido tradicionalmente representados como os detentores da linhagem de prática dentro da tradição Sakya. As preciosas práticas de linhagem pelas quais a Tsarpa é conhecida incluem o Caminho incomum com o Resultado (Lamdre Lobshe), a incomum Vajrayogini de Naropa, o maior e menor Mahakala, os Treze Dharmas Dourados, o Kalachakra dos Jonangpas e muitos outros.

O falecido Chogye Trichen Rinpoche foi o 25º patriarca do Mosteiro Phenpo Nalendra, e foi o Lama detentor do trono do ramo Tsarpa da Escola Sakya. Até recentemente, Rinpoche, residia em Kathmandu, Nepal.

Mosteiro de Nalendra

Phenpo Nalendra, um dos principais mosteiros da tradição Tsarpa, está localizado no Vale do Phenyul, a nordeste de Lhasa, no centro do Tibete. Fundada em 1435 por um dos grandes mestres da história da tradição Sakya, Rongton Sheja Kunrig (1367-1449), Nalendra é um dos mosteiros Sakya mais importantes, com mosteiros ramificados em várias partes do Tibete, de Tsang à região de Amdo. Recebeu o nome daquele centro incomparável de aprendizagem budista clássica (Mosteiro de Nalendra, em Bihar, Índia), e durante seus primeiros vinte anos cresceu para abrigar 3.000 monges. "Rgyun gyi dbang po" (a palavra tibetana para Nalendra) significa "o rio do poder" e descreve bem que ao longo de mais de 500 anos, Phenpo Nalendra passou a ser um dos maiores Sakya Shedras (faculdades) no distrito de U do Tibete Central. O mosteiro geralmente tinha entre 700 a 1.000 monges residentes, e também abrigava milhares de monges visitantes que estudavam nas várias faculdades. Como um reduto da linhagem prática esotérica dentro da tradição Sakya, Nalendra tornou-se o principal mosteiro do ramo Tsarpa, devido aos extraordinários mestres da linhagem prática, que eram seus detentores do trono. Foi também um repositório dos ensinamentos de todas as oito grandes linhagens práticas do Tibete e, portanto, foi um centro da abordagem mais ampla e não sectária da prática budista. Apenas como um exemplo recente disso, o anterior Chogye Trichen, detentor do trono de Nalendra, foi um discípulo próximo do 15º Karmapa, Khakyab Dorje, recebendo em particular muitos ensinamentos na tradição da Grande Perfeição (dzogpa chenpo), como a Preciosa Coleção de Tesouros Revelados (Rinchen Terdzod).

Grandes meditadores de todos os ramos da escola Sakya foram ao Mosteiro de Nalendra para práticas e retiros. Nos tempos modernos, antes de 1959, vieram treinar na prática de retiro em Nalendra, como discípulos de Dampa Rinpoche, Zhenpen Nyingpo de Ngor, Zimwok Rinpoche de Nalendra e Chogye Trichen Rinpoche. Havia muitos centros de retiro nas montanhas circundantes, incluindo dois eremitérios especiais onde os iogues permaneciam em retiro vitalício. Sempre que um desses iogues falecia, o evento era inevitavelmente acompanhado pelo aparecimento de arco-íris, sinais milagrosos e maravilhas. Um monge que saiu do Tibete com Chogye Rinpoche comentou que isso era tão comum que os monges diriam: "Bem, é claro que ele tinha sinais, ele ficou em um retiro ao longo da vida!". Nalendra era reconhecido no Tibete pela prática da deidade tântrica feminina Vajrayogini. Dizia-se que havia geração após geração de iogues que realizaram a fruição de "ir aos reinos celestes" (khacho) através da prática de Vajrayogini na forma de Naro Khachoma. Através de Vajrayogini, eles foram capazes de transferir para o paraíso de Khechara, o reino puro de Akanishta dos campos de buda Sambogakaya. Alguns dissolveram seus corpos físicos na luz do arco-íris na hora da morte. Alguns deixaram este mundo com seus corpos físicos e acompanharam Vajrayogini para o céu, desaparecendo no espaço enquanto viajavam para seu reino puro. Alguns a encontraram enquanto se moviam entre as pessoas e partiram com ela para a terra pura de Khechara. Para alguns, sua escadaria de coral apareceu em suas salas de meditação e eles subiram por ela para a terra pura de Vajrayogini. Muitos dos Chogye Trichen Rinpoches mostraram os sinais de Khechara. O anterior Chogye Trichen, Rinchen Khyentse Wangpo (1869-1927), manifestou sinais de phowa, a transferência da consciência para o paraíso de Vajrayogini, no momento de sua morte neste mundo. Só recentemente, quando o Khenpo Tsultim Gyalsten foi cremado em Nalendra, muitas relíquias ósseas com pontos de pó de sindura foram encontrados em seu coração, língua e olhos permaneceram intactos (não queimados). Depois que as relíquias foram consagradas, houve uma nevasca espetacular de flores de lótus, rodas de dharma e dharmakara. Monges espalharam suas vestes e esses maravilhosos símbolos caíram sobre eles – isso foi capturado em câmera de vídeo.

Rongton Sheja Kunrig

O fundador do mosteiro de Nalendra, Rongton Sheja Kunrig, também conhecido como Kunkhyen Rongton, nasceu no leste do Tibete em Gyalmo Rong em 1367. Guiado por profecias, bem como em suas atividades, Rongton foi considerado como uma emanação de Maitreya, o próximo Buda de nosso afortunado eon. Suas encarnações anteriores incluíram o acharya Haribhadra indiano, Pandita Kamalashila, Phadampa Sangye e muitos outros. Ele se tornou conhecido como uma das 'seis joias da tradição Sakya' em reconhecimento ao seu domínio incomparável da tradição do sutra em geral, das escrituras de Prajnaparamita e dos ensinamentos de Maitreya em particular. Sua Eminência Chogye Trichen Rinpoche recebeu os ensinamentos de Rongton sobre o Prajnaparamita do grande bodisatva Khunu Lama Tenzin Gyaltsen, bem como de outros mestres.

Rongton escreveu trezentos trabalhos, que vão desde elogios e tratados filosóficos até comentários sobre os tantras. Ele era conhecido por ter realizado, no mínimo, o sexto nível de realização espiritual do bodisatva (bhumi), e é dito que ele percebeu a verdade da natureza da realidade (Dharmata). De acordo com suas biografias, Rongton poderia enviar múltiplas emanações de si mesmo, ressuscitar seres mortos e voar no espaço. Ao entrar nos estágios superiores de realização, ele se tornou cada vez mais infantil. Ele havia liberado o pensamento conceitual e assim se comportou e falou com a inocência de uma criança. Ele era um grande bodisatva e um grande mestre tântrico.

Contemporâneo de Tsongkhapa, o fundador da escola Gelug, Rongton foi o primeiro a desafiar os ensinamentos filosóficos Gelug. Seus alunos Gorampa e Shakya Chogden compuseram refutações penetrantes da interpretação de Tsongkhapa de Madhyamika. No entanto, Tsongkhapa tinha Rongton na mais alta estima, revelando a seu aluno Khedrup-je que ele considerava Rongton nada menos que o bodisatva Maitreya.

Com a idade de 84 anos, Rongton anunciou que iria partir para o céu de Tushita, onde o bodisatva Maitreya habita. Poucos dias depois ele faleceu, dissolvendo-se em Maitreya. Rongton manifestou uma das variedades de corpo de arco-íris em sua passagem, por meio do qual a forma física se dissolve em um corpo de luz de arco-íris. Seu corpo encolheu a um tamanho muito pequeno e tornou-se extremamente leve. Antes de desaparecer completamente, de repente parou de encolher e se transformou em uma joia relíquia, tornando-se novamente um pouco mais pesada. A tradição é que a fruição do corpo de arco-íris de Rongton foi, provavelmente, um resultado da prática de Vajrayogini, embora, como uma manifestação do bodisatva Maitreya, muitos meios de manifestar o corpo de arco-íris estivessem disponíveis para ele.

Chogye Trichen

Após a era inicial da fundação de Nalendra, Dakpo Tashi Namgyel tornou-se o sucessor de Rongton seguido por Gewa Gyalsten e Gung-ru. Após o 7º abade de Nalendra, alguns infortúnios e surtos de doença se abatem sobre o mosteiro de Nalendra. Em resposta, o 21º detentor do trono de Sakya, Dagchen Lodro Gyaltsen (1444-1495), determinou que o abade e o detentor do trono não deveriam ser apenas um grande adepto tântrico, mas que eles deveriam ter atingido o nível de um bodisatva, de acordo com o veículo budista Mahayana. Assim, Khyenrab Choje (1436-1497), do ramo Zhalu Kushang da antiga família Che, foi colocado como o titular do trono e oitavo abade do mosteiro. Khyenrab Choje foi o primeiro Chogye Trichen e foi sucedido por dezessete detentores do título Chogye Trichen, todos eles provenientes da família Che, da "linhagem óssea" de descendência patriarcal. Entre estes, Zimwok Tenzin Nyendrak. Desde a época de Khyenrab Choje até a invasão chinesa do Tibete, Nalendra não sofreu mais obstáculos.

O título de detentor do trono de Nalendra, Chogye Trichen, é composto por dois termos: chogye, 'dezoito'; e Trichen, "grande trono". Diz-se que o nome Chogye surgiu após a morte de Khyenrab Choje, que foi o primeiro detentor do trono em Nalendra a vir da família Zhalu Kushang. Khyenrab Choje foi convidado pelo imperador chinês para ir à China. Como ele não pôde ir, ele enviou seu sobrinho, Jamyang Donyo Gyaltsen, como seu representante. Através deste sobrinho, o imperador concedeu o título de Chogye Trichen ao trono titular de Nalendra, elogiando dezoito (chogye) qualidades espirituais exaltadas que ele desejava reconhecer em Khyenrab Choje. O "dezoito", neste título, também faz alusão ao 18º dia do 12º mês lunar que celebra o aniversário de Khyenrab Choje. Este dia também é marcado pelo Chogye Tripa (detentor do trono), concedendo a iniciação da Deusa Parnashavari, que é dada anualmente para lembrar e honrar o aniversário do fim da epidemia que devastou Nalendra.

Os Chogye Trichens receberam muitas oferendas dos imperadores chineses. Uma oferenda foi o chapéu cerimonial, uma cópia do qual Chogye Rinpoche é frequentemente visto usando em fotos. Este chapéu está repleto de simbolismo do budismo vajrayana em geral, e da didade Hevajra em particular. O famoso chapéu foi nomeado "único ornamento do mundo" pelo imperador. Os detentores subsequentes do trono do Chogye Trichen continuaram a receber muitas honras dos imperadores chineses.

Enquanto estava em retiro de meditação no Potala, em Lhasa, como resultado de sua prática espiritual, Khyenrab Choje teve a visão sustentada da divindade tântrica feminina Vajrayogini, contra o pano de fundo das falésias de Drak Yerpa, e recebeu extensos ensinamentos e iniciações diretamente dela. Duas formas de Vajrayogini apareceram das faces das rochas em Drak Yerpa, uma vermelha e outra branca, e juntas concederam a iniciação kalachakra em Khyenrab Choje. Quando perguntado se havia alguma prova disso, seu atendente mostrou a grama kusha que Khyenrab Choje tinha trazido de volta com ele da iniciação. Era diferente de qualquer grama kusha encontrada neste mundo, com luzes de arco-íris brilhando para cima e para baixo no comprimento das folhas secas de grama. Esta linhagem direta de Vajrayogini é a mais curta, a mais recente, e a linhagem mais direta de Kalachakra que existe neste mundo. Além de ser conhecido como uma emanação de Manjushri, Khyenrab Choje já havia nascido como muitos dos reis Rigden de Shambhala, bem como numerosos mestres budistas da Índia. Estas são algumas indicações de sua relação única com a tradição Kalachakra.

Desde a época de Khyenrab Choje, todos os Chogye Trichens vieram do ramo Zhalu Kushang da família Che, então a linhagem do Chogye Trichens tem sido patriarcal, mantida por descendentes da "linhagem óssea" da família Kushang. A emanação contínua de bodisatvas através da "linhagem óssea" é encontrada em algumas tradições do budismo tibetano, e as emanações de "linhagem óssea" são muito respeitadas por muitas razões. Isto é particularmente assim, quando a família é originalmente descendente dos deuses celestiais. A este respeito, a família Che compartilha uma história semelhante com a família Khon, de Sua Santidade Sakya Trizin, sobre como a história de ambas as famílias começa com a descida original dos deuses da luz clara (prabhashvara-devas) em nosso mundo. O falecido, Sua Eminência Chogye Trichen, Ngawang Khyenrab Lekshay Gyatso, foi o décimo oitavo detentor do trono de Nalendra na linhagem, começando com Khyenrab Choje, vindo da família Zhalu Kushang.

Em seu grande comentário sobre Chod, o famoso mestre machig Lapdron profetizou três futuras emanações de Maitreya, que apareceriam na linhagem de Rongton, cada uma com nomes que conteriam a palavra khyen ou "conhecedor". Estes são Khyenrab Choje (1438-97), Khyenrab Jampa (1633-1703) e Rinchen Khyentse Wangpo (1869-1927). Todos os três tinham o título de Chogye Trichen, detentor do trono do Mosteiro de Nalendra. Rinchen Khyentse Wangpo, a terceira encarnação de Maitreya profetizada por Machig Lapdron, foi o último Chogye Trichen antes do falecido detentor do trono, Khyenrab Lekshay Gyatso (que também era sobrinho de Rinchen Khyentse Wangpo). O falecido Chogye Rinpoche consagrou uma estátua de Maitreya, de doze metros, em seu mosteiro em Boudhnath, Nepal, mantendo a tradição das bênçãos de sua linhagem descendo através das encarnações Khyen de Maitreya.

"O princípio subjacente desse ensino é o princípio universal da causalidade. O que se torna importante na compreensão desse ensino básico é uma consciência genuína dos próprios potenciais e a necessidade de utilizá-los ao máximo. Visto nesta luz, toda ação humana se torna significativa."

Sua Santidade, o 14º Dalai Lama

Fonte: https://www.sakya.com.au/

* Traduzido para o português pelo Grupo Wisdom Light

voltar_edited_edited.png